Category Archives: Apoio e orientação Pedagógica

Diabetes atinge pelo menos 346 milhões de pessoas no mundo

Pelo menos 346 milhões de pessoas em todo o mundo sofrem algum tipo de diabetes, segundo estimativas da Organização Mundial da Saúde (OMS). O órgão alerta, entretanto, que o número pode dobrar até 2030, caso não haja intervenção no cenário global. Atualmente, quase 80% das mortes provocadas pela doença são registradas em países de média e baixa rendas.

No Dia Mundial contra o Diabetes, nesta quarta-feira, a OMS pede maior atenção para um problema cujas taxas de incidência estão aumentando em todo o planeta e também cobra dos governos ações para prevenir novos casos.

O diabetes é uma doença crônica provocada pelo mau funcionamento do pâncreas, que deixa de produzir insulina em quantidade suficiente ou quando o corpo não consegue efetivamente absorver  a insulina que produz, o que aumenta a concentração de glicose no sangue (hiperglicemia).

O diabetes tipo 1 se caracteriza pela ausência de produção de insulina. Os sintomas podem aparecer abruptamente e incluem excesso de excreção de urina, sede, fome constante, perda de peso, alterações na visão e fadiga.

O diabetes tipo 2 é provocado pelo uso ineficiente da insulina e geralmente resulta de excesso de peso e sedentarismo. Os sintomas podem ser similares aos do diabetes tipo 1, mas geralmente são menos marcantes. Por essa razão, muitos casos são diagnosticados em estágio mais avançado, quando as complicações já começam a aparecer. Até recentemente, a doença era identificada apenas em adultos, mas já há casos entre crianças.

O quadro de diabetes gestacional é resultado de hiperglicemia identificada pela primeira vez durante a gravidez. Os sintomas mais comuns são similares aos do diabetes tipo 2, embora esse tipo da doença seja geralmente identificado durante o pré-natal e não por meio de sintomas.

Fonte:| Jornal Correio do Brasil

Anúncios

Escolha profissional…vocação? Dom? inclinação?

 

Profissões

Algumas de muitas profissões

Quase todos nós conhecemos ou já ouvimos falar de alguém que mudou ou pensa mudar de curso e isso está se tornando cada vez mais frequente. Eu mesma dei a minha contribuição no aumento dessa estatística.

Não se pode generalizar na análise deste fenómeno em crescimento, porque cada caso é um caso, mas posso expor aqui a minha experiência. No meu caso foi um misto de deslumbramento, falta de informação e preconceito. Deslumbramento pela medicina, pelo que ela é e pelo que representa; falta de informação por não saber ao certo o que fazia um profissional de medicina; e preconceito movido pela crença de que os melhores alunos devem escolher os melhores cursos, e por pensar que existem cursos que possam ser melhores em detrimento de outros.

A escolha profissional é algo que deve ser feita com muito cuidado e muita dedicação, pois não se está apenas escolhendo um curso para fazer em 4 ou 6 anos, mas sim está-se a escolher a profissão em que se vai trabalhar por toda a vida.

Quantos profissionais frustrados não devem existir na nossa Ribeira Grande? E qual não deve ser a falta que profissionais satisfeitos fazem ao nosso concelho? Pois, para quem gosta do que faz… o céu é o limite, e isso  só contribui e muito mais para o desenvolvimento.

Para você que está pensando em fazer a sua escolha profissional, não escolha pela beleza, pelo status ou pela estabilidade financeira (fazendo o que gosta, alcança com mais facilidade, tal estabilidade), pense também em suas habilidades, inclinações, gostos, dom e vocação.

Mas, como deve ser feita essa escolha?

Vocação (que vem do latim, vocare, e que quer dizer chamado), temos muitas, por isso, dentro das profissões que mais lhe atraem, tenta se informar melhor sobre cada uma, procure profissionais da área, visite os locais de trabalho, converse com estudantes da área e procure ver a grade curricular do curso. Estando em posse dessas informações, opte por aquela em que melhor se identificar.

E lembre-se: Gostar de matemática e física, não quer dizer que se possa ser engenheiro; Gostar de sangue e de cura, não quer dizer que se queira ser médico; ser bom a fazer massagem, não quer dizer que se possa ser bom fisioterapeuta.

Não sendo tão importante como o que disse anteriormente, mas, se quiser um reforço, pode acessar links a seguir e fazer um teste vocacional:

Teste vocacional 1

Teste Vocacional 2

Espero ter contribuído de alguma forma!

Wealth is good, Health is better, hapiness is Best!

Riqueza é boa, Saúde é melhor, felicidade é A melhor!

 

Rilda Leite (Estudante de Psicologia)