Como eu vejo a Crise… (Délio Leite)

Para aqueles que convivem comigo, já não é novidade o facto de eu estar sempre a reclamar de alguma coisa deste mundo/sociedade consumista e sem valores.

Portanto, é desta forma que eu vejo as coisas.

Vivi até aos 18 anos em Santo Antão, na Vila da Ribeira Grande (ou cidade, ou vila, ou povoado, não me interessa, importo mais com as pessoas que lá vivem). Mudei para Lisboa para me formar e 10 anos depois, ainda aqui estou.

Sempre me dei bem com todos, desde os que amo, aos que poucos sentimentos me despertam. Se alguma vez desdenhei de alguém, ou esse alguém se sentiu “pouco” por alguma atitude minha, peço perdão, pois essa não era a minha intensão, com certeza. Também sou humano e estou sujeito a errar, mas, não uso esta desculpa de “ser humano” para constantemente errar e servir-se de escudo.

Por mais que tente, não consigo deixar de questionar a veracidade de quase tudo o que vejo, no que toca a “documentários”, “ajudas humanitárias”, “planos para sair da crise” (financeira é que não é de certeza absoluta), “fundos de apoio das grandes empresas”… Dou alguns exemplos:

1 – O Ecoponto em Portugal: pedem para, cuidadosamente, separar o lixo e, cuidadosamente, depositá-lo nos posto espalhados pelo país. Não o faço e digo porquê: Não ganho nada em fazê-lo, e quando digo eu, digo todos os que o fazem, excepto as empresas que depois os transformam em produtos. Comprar um recipiente preparado para o ecoponto, custa mais de 30€ nos hipermercados, reciclo sem receber e ainda compro produtos reciclados por ai, pagando por aquilo que reciclei. Um paradoxo não é? A desculpa de que estou a ajudar o ambiente, não cola, pois se colasse, um governo que consegue ver que reciclar é bom, consegue também ver que energias renováveis são, de longe, melhores que o petróleo por exemplo, mas nem por isso deixam de o comercializar, para não perderem os benefícios financeiros que o sistema oferece.

Se queres mesmo ajudar o ambiente, recicle sim, mas transforme tu mesmo o teu produto, ou entregue-o onde sabes que vai mesmo valer a pena o teu esforço!

Quando mudarem os fins, passo a fazer parte desta ideia que podia ser, mas, não é bonita.

2 – Morrem 2 crianças, por cada 10 kg de produtos mineiros colhidos para serem transformados em playsation e outras coisas do género. Aposto que a SONY (empresa que desenvolve a playsation) tem um fundo ou um gabinete de apoio social… só para disfarçar.

3 – Vou ao supermercado na época natalícia, e não é que aproveitam até esta época para tirarem proveito do “coitado” (do ignorante, do menos culto, do pobre…), com campanhas do tipo: “ARREDONDA” – se a tua compra for 9,99€ por exemplo, os 0,01€ são arredondados ao valor a pagar, e estes 0,01€ vão para um fundo de apoio criado por estas empresas, que, ironicamente pertencem aos homens mais ricos (financeiramente, claro), do país. Até ouvi dizer que ganha bom retorno (financeiro, claro) no IRS / IUR, quem se mete a ajudar o outro. É caso para dizer: “Meu Deus do céu…”

No Mundo em que vivo, já até me cansei de sair à noite e ver o mesmo desfile de figurinos, night by night, sempre igual. Já me cansei de ver disputas e mais disputas de “nada”. “Quem bebe e aguenta mais tempo em pé?”, “Quem está mais bem vestido(a)?”, “!Quem tem mais carros e, de preferência, mais caros”, “Quem é do Gang mais temido”?, “Quem faz a dança mais suja e mais perversa?”. Nos olhos dos jovens, isso é tudo normal, porque é da época.

Minha gente, isso tudo é fruto da sociedade consumista que vivemos. Tudo tem sido preparado há muito tempo, a lavagem cerebral começou há décadas atrás.

CRISE FINANCEIRA? Nem por isso… de VALORES? Ah Pois claro. Se não vejamos:

1 – Em Cabo Verde (Ilha de Santo Antão, em particular), quem nunca ouviu estas célebres frases: “prei en de c’açucar”, “farinha já cabá”, “ta cum senhor ta vendê cebola lá sim, bé la depressa antes des cabá”?  Mesmo assim, os políticos e os ditos “entendedores da matéria”, estão divididos quanto a saber se Cabo Verde está em crise ou não. Enquanto isto, Portugal que declarou estar em crise e até ajuda financeira do FMI recebe, quase nunca oiço frases parecidas. Vou ao supermercado, com muita convicção de lá encontrar o que procuro.

2 – Ah, esqueci-me que é cada vez mais difícil o português ser feliz (o cabo-verdiano está cada vez mais parecido), porque está mais complicado comprar o carro, a casa e meter lá dentro uma família, porque dá nas vistas e se projecta melhor na nossa sociedade, porque todos fazem o mesmo. Neste caso, Portugal está realmente em crise, compreendo (ironicamente, como é óbvio).

3 – Hoje, tenho até receio de dizer: “antigamente fazia-se assim, assado, cumprimentava-se as pessoas, respeitava-se os mais velhos, o próximo…” para não correr o risco de levar com uma resposta típica de quem acha que o mundo deve mudar em todos os aspectos, por ser consequência da evolução: “Tempo eh ôte môss, no ta na ôte época môss, txá de ser conservador!”. Pois é, ai mora o erro:

 Quem não sabe filtrar o “Bom” e o “Mau”, vai pelo “mais comum” e espere pela sorte!

4 – A cidade da Praia, capital de Cabo Verde, não tem luz, não tem água, tem violência gratuita, e, ironicamente, somos País de Desenvolvimento médio, pois, já nos vêm com outros olhos. Mas, que olhos são estes? Olhos de que já podemos entrar no grupo dos tais e usufruir dos quais, e mesmo assim ver o aumento progressivo de problemas graves no País?

Com estes olhos, prefiro ver o meu POBRE Cabo Verde (financeiramente, claro), mas RIQUÍSSIMO em Valores, humano e cheio de morabeza, que todos nós gostamos e sempre admiramos.

5 – Enquanto isso, o Africano, o Cabo-verdiano, Santantonense, teima em ser cómodo, usando destas citações, o pão nosso de cada dia:

“Ame, já nô ta custmod, no te bé ta safá”

“Ame, ess mine dava ta contá kêl, por isso…”

“Ame, es dzê’m que en ne possível, por isso, jam desisti”

“kêl senhor(a) lá ê chei delas, êl eh um de kej boss dess lugar… Mi nunca hm te bé pode ser moda ele”

Pois é, não sejas! Seja tu mesmo, grande sim, mas a tua maneira e deixe de invejar o outro!

Se eu te der exemplos daqueles que realmente não são porque não conseguem, pensarias diferente com certeza (vê o exemplo por si mesmo, não podes esperar que sempre alguém te vai surgir, do nada, e te mostrará o caminho!).

No outro dia, em São Nicolau, reclamava com o morador do Tarrafal, o factor transporte/ligação com as outras ilhas. Na minha óptica, devia ter um barco que fazia a travessia diária para, pelo menos, um dos principais centros comerciais de Cabo Verde.

Sabem o que foi que ele me disse?:

Ah não, tud dia não, el tava bá vazio tud dia”.

Como é que ele quer que vá cheio todos os dias, se o seu pensamento pequeno e sem perspectivas de crescimento da sua Ilha, não o permite ver que, se o barco for vazio durante 6 meses, mas mesmo assim manter o fluxo, mais investimentos surgirão, mais pessoas regressam à casa (em 10 anos, em vez de aumentar, a população diminuiu drasticamente naquela Ilha e nos demais, com excepção de Santiago, São Vicente, Sal, como é óbvio) e consequentemente, menos vazias serão as viagens diárias e consequentemente, menos isolados estarão?

Com uma única viagem semanal para São Vicente e Santiago, respectivamente,  eles ainda respondem: “Ah, já foi pior“, em vez de dizer: “Hm crê melhor e não menos pior

Pergunta que não quer calar:

PREFERES TER BOA PINTA E NÃO TER SOSSEGO, OU SER “FEIO” E SER FELIZ?

Por Délio Leite (Déy)

Ontem: “o que é TV?” / Amanhã: “O que é arroz?”

About plurim

Criado para relembrar, reabilitar, recuperar, redescobrir o nosso concelho da Ribeira Grande, Ilha da Santo Antão, Cabo Verde, este blogue terá como propósito enobrecer, por mérito próprio, aquele que nos viu nascer, crescer e tornar em mais um valor nacional, reconhecidos por prós, ignorados por contras. "Quanto maiores são as dificuldades a vencer, maior será a glória." Ver todos os artigos de plurim

24 responses to “Como eu vejo a Crise… (Délio Leite)

  • Vania Neves

    Adorei!!!Parabéns Délio!O artigo ficou excelente. Aguçou mais ainda a minha revolta, principalmente, pelo comodismo do povo caboverdiano e a perda insana dos valores do nosso povo. Já diz o ditado: “Não esperas que seja diferente, se continuas a fazer igual”. bj

    • plurim

      Obrigado Vania! É sempre bom saber que não estamos sozinhos no mundo e que há quem pense como nós. A esperança é a última que morre. Enquanto houver, estarei aqui para marcar a diferença. bjs

  • Peca

    Adorei Dey, e nem un ca sabia k bo tinha um blog. e Bo tem razão em defende bo terra, afinal R. Grande é um lugar incrivel e único.

    Bijim Grande.

    Peca

  • Maninho

    Blog de tapinhas nas costas e puxa saco. É assim que querem contribuir para o desenvolvimento de S. Antão ????

    • plurim

      Mais vale uma tentativa, do que nenhuma. O Maninho (que de certo não é seu nome, por preferir contribuir no anonimáto), sugere o quê, por exemplo, como contribuição? Não critique apenas! Seja construtivo e contribua também!

      ps. temos um espaço de sugestões, no início do blog, que o Maninho pode nos dar uma ajuda e “puxar um pouco do seu saco” também, para se descomprimir.

      Saudações, com tapinhas nas costas!

      Plurim

  • Carla Brito

    Excelente Artigo Dey!
    Foi uma gde inspiraçao e da mnha parte muito bem lida e analisada.
    Continua, força…
    Abraço

  • All

    Parabens Dey…
    energia renovaveis no tem é k continua te martelas k esse assunto, se não es te continua te fingi kes k sabe importancia k ER. tem pa nos cv… Nos Santo Antão mesmo de boche de tud es observações de comudismo, melhor sitio pe vive é la, sem ostentação… saudades…

  • Anónimo

    grd artigo, força sp

  • Anónimo

    parabens meu caro ..bom artigo. Estamos junto nessa moda kel vez que nô tava fugi um dia inteiro de casa .. ess causa é de td nôs ermon.

  • Anónimo

    Meu caro amigo, estou rendido excelente artigo jovem.
    Força e que continues sempre a nos brindar com excelentes artigos.
    Coincidência ou não, ontem estive a falar com um amigo a propósito das energias renovavies e falei sobre a energia que é produzida na estrada nova Janela e Paúl, apesar de quando aluno na Escola Tecnica do Mindelo na decadade 80 nós os finalistas da area industrial ja tinhamos feito uma experiencia em miniatura,mas depois que falei com o amigo Julinho um dos jovens quadro da empresa que instalou as torres para transformar o vento em energia,e segundo ele a quantidade de energia que é produzida na torre dá para abastecer Páule Ribeira Grande numa boa, imgaina se espalharmos torres daquelas por esse País todo. Tenho a convicção que o governo (o sistema) nao está interessado que tenhamos energias renovaveis em Cabo verde e é como dizes “não estão interessados para não perderem os benefícios financeiros que o sistema oferece.”
    Déy meu amigo desejo-te muita saude,e bem assim a toda a malta construtora deste blgog.Ribeira Grande precisa dos seus filhos.
    Espero mais temas interesssantes para refelxão de todos.
    O melhor que temos a fazer é acreditar em nós mesmos e pensarmos pelas nossas próprias cabeças.
    A crise existe sim, na cabeça dos que nos querem amedrontar.
    A natureza produz o suficiente que dá para todos os que habitam neste planeta, o problema reside na ganância de uns poucos que pensam ser donos do mundo.
    Um abraço amigo.

    • plurim

      Obrigado “Anónimo”. Só depende de nós ver as coisas com os nossos próprios olhos. É deveras complicado lutar com o marketing negativo que se instaurou nos nossos dias, mas cabe a cada um criar o seu próprio filtro e assim separar bem as coisas.
      Abraço,

      Déy

      ps. Existe inúmeros artigos interessantes no blog, que podes querer ver. Disponha!

    • Chiquinha

      Oh anónimo, não explicaste bem porque é que o governo não quer que tenhamos energias renováveis em Cabo Verde. Podias por favor explicar melhor, para engrandecimento deste blogg ??
      Porque, à primeira vista, parece haver aqui uma contradição, porque falaste dum projecto já executado e que pelos vistos deu frutos em S. Antão.

      Obrigado !!

  • Maysa

    Parabéns pess grande artigo Dey! M gosta mesmo dess ponto de vista…el podia até continua e ter mt mas, pq realmente el ta faze gent pensa e repensa certas coisas.
    Aquele abraçoo.
    Maysa

  • Maria Marques

    Parabéns Délio!
    Grande reflexão… é bem verdade aquilo que escreves.. para onde vamos? será que desenvolvimento significa obrigatoriamente mais consumo? É isso que nos querem fazer acreditar…
    Para verificarem se um determinado povo (país, região, etc.) é desenvolvido ou não, analisa-se a capacidade de consumo! Estamos numa sociedade em que o mais importante é “aquilo que se tem” e não “aquilo que se é”!!!

    Agora que descobri o teu blog, vou continuar a seguir…
    Kiss*
    Maria (ISU)

    • plurim

      Olá Maria,
      Há quanto tempo…
      Obrigado pela apreciação.
      As resposta as tuas/minhas perguntas, estão nos actos que se vão ver daqui pa frente. Ainda tenho esperanças.
      Abraço,

      Délio

      ps. Existem inúmeros artigos interessantes no blog, que podes querer ver. Disponha!

  • Jair Ramos Lopes

    Well done Délio
    Bem escrito, coisa rara nesses tempos, bem estruturado, e bastante critíco.
    Gosto da tua prespectiva de ver o mundo e de como interpreta-lo.

    Espero ter oportunidade de vir a ler mais artigos assim.

    Aquele abraço

    Jair Ramos Lopes

    • plurim

      Obrigado Jair,
      Não é apenas uma perspectiva do mundo. Penso e tento agir para ver mudar algumas coisas… Não sou de desistir, apesar de muitos pedras que me vão surgindo pelo caminho.

      Abraço,

      Délio Leite

      ps. Existem inúmeros artigos interessantes no blog, que podes querer ver. Disponha!

  • Anónimo

    Caro Delio.
    O Artigo é excelente, pois, fez-me lembrar os bons velhos tempos que cresci e vivi em Ribeira grande na minha infância.
    Pobre, mas, feliz……….

    • plurim

      Pois é anónimo,
      Pobreza é pobreza de espírito, como diz o outro. Apesar dos meus quase 30 anos, sei que a Nossa Ribeira Grande já foi bem mais rica de espírito do que é hoje em dia.

      Abraço,

      Délio Leite

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: